Macrotransição
SP • 11 3075-3034 - RJ • 21 9.9660.4661
Av. Paulista, 1.765 - 7º andar - São Paulo - SP

Relação com os antigos donos nem sempre é fácil

08/11/2012 12:12
A relação entre os investidores e os fundadores dos grupos de ensino normalmente é conflituosa. A maioria das empresas ligadas à área de educação ainda é familiar, com pouca profissionalização.

"Quando os fundos entram, mesmo quando é uma participação minoritária, há uma completa mudança na gestão, com mais planejamento e governança. Esse é o lado positivo. Por outro lado, os fundos ainda focam muito no retorno ao acionista e não no aluno. Isso dá muito conflito por conta do padrão de qualidade que se quer atingir. É preciso haver uma integração entre o acadêmico e o financeiro", diz Carlos Monteiro, sócio da CM, consultoria especializada em ensino.

Nos grupos de ensino superior Anhanguera e Estácio, os maiores do país, os principais executivos são dos fundos Pátria e GP, respectivamente. Mas há outros modelos. Na Kroton, a presidência executiva está nas mãos de Rodrigo Galindo há quase dois anos. Galindo é filho do fundador da Iuni, comprada pelo Advent e que integra a operação de ensino. Para evitar conflitos com os antigos donos, o sócio do Advent, Juan Pablo Zucchini, diz que antes de fechar o negócio define qual será o papel da família e o do fundo. Advent já negociou com três famílias desde que entrou no capital da Kroton.

Para Cristiano Lauretti, diretor do Kinea, dono de 20% do Grupo Multi (Wizard e Yázigi), as vantagens de uma empresa familiar é que os gestores, em geral, conhecem o negócio e concordam em melhorar a governança corporativa e a profissionalização. O ponto negativo é o fato de as empresas familiares não estarem 100% prontas para abrir o capital. (BK)

Fonte: Jornal Valor Econômico - 31.10.2012
© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.

Nome:
E-mail:
Comentário:
Digite os caracteres abaixo:
Comentário enviado com sucesso!
Aguarde a aprovação!