Macrotransição
SP • 11 3075-3034 - RJ • 21 9.9660.4661
Av. Paulista, 1.765 - 7º andar - São Paulo - SP

Maratona à bolsa

16/12/2011 14:43
Alberto Osório, da Maria Filó: com 51 lojas e receita de R$ 100 milhões, grife carioca quer audição externa para 2012
Anterior 1 de 1 Próxima
A grife carioca Maria Filó não tem recusado sucessivamente propostas de gestoras de marcas e fundos de investimentos porque quer seguir como empresa familiar. "Pensamos no IPO desde o primeiro dia de operação", brinca Alberto Osório, que desde 1997 comanda a grife com a mulher, Célia. "Mas a empresa tem que valer efetivamente alguma coisa no mercado antes de darmos o próximo passo", completa.

A Maria Filó fechará 2011 com receita R$ 100 milhões, 40% mais do que no ano passado. Em 2010, o avanço foi de cerca de 30%, o mesmo esperado para 2012, ainda de acordo com Osório. Os tecidos leves, a estamparia e o estilo romântico da marca estão hoje em 26 pontos próprios e 25 franquias, que têm tíquete médio de R$ 190, e 400 multimarcas.

A empresa tem 400 funcionários e fabrica 1,1 milhão de peças anualmente - metade é terceirizada e metade vem da planta em São Cristóvão. Até 2013, serão 71 lojas. O e-commerce estreia no próximo ano e, até 2014, a produção subirá para 2 milhões de peças por ano. Ainda em 2012, a Maria Filó quer começar a passar por uma auditoria externa para, aí sim, preparar sua abertura de capital.

O plano de expansão estratégico da Maria Filó começou há 11 anos. No ano 2000, a empresa começou a ir além do tricô que deu projeção à loja de 20 m2 no bairro de Ipanema, onde se lançou, e incluiu o jeans no mix de produtos. Iniciou a distribuição para outros Estados, aumentou preços e margem de lucro.

Em 2006, passou a produzir também internamente, a franquear e direcionou parte dos investimentos à chamada gestão de relacionamento com o cliente (CRM, na sigla em inglês). Em 2008 foram criados os departamentos de marketing, design e visual merchandising.

A marca também se reposicionou para chegar a clientes de até 45 anos, quando seu público alvo eram as moças entre 18 e 25. Também naquele ano iniciou o processo de formalização que termina no próximo ano. Sair da informalidade que virou regra em um "setor muito pulverizado", segundo Osório, implicou em um aumento de custos e aperto de margens.

Mas foi uma etapa necessária para a audição externa que começa em 2012. As paulistanas "sofisticadas" e "acostumadas a ver de tudo" foram o grande teste para o sucesso do processo de expansão. A Maria Filó tem 8 pontos em São Paulo e quer chegar a 11.

Fonte: Brasil Econômico - Rodrigo Uchoa, 16.12.2011

Nome:
E-mail:
Comentário:
Digite os caracteres abaixo:
Comentário enviado com sucesso!
Aguarde a aprovação!