Macrotransição
SP • 11 3075-3034 - RJ • 21 9.9660.4661
Av. Paulista, 1.765 - 7º andar - São Paulo - SP

Laços de família fortalecem os caminhos da VW e Porsche

05/04/2012 16:04
Há um novo elemento na história adiada da fusão entre a VW e a Porsche. Chama-se Ursula Piëch e vem reforçar o poder da família Porsche nesta aliança estratégica.

Poucas organizações conseguem garantir tanta unidade, lealdade e dedicação dos gestores de topo quanto as empresas familiares. E esta é, provavelmente, a chave do sucesso do maior grupo automóvel da Europa, onde os interesses corporativos do clã Piëch-Porsche estão infiltrados, quer na Volkswagen (VW), quer na Porsche.

O grupo - cujo nome significa "carro do povo", e em tempos foi um importante elemento simbólico e económico da recuperação da Alemanha Ocidental - continua hoje a ser gerido pela família Piëch-Porsche. Uma gestão que é considerada por muitos "complexa", com maquinações de uma dinastia que, muitas vezes, entra em conflito, mas que é tolerada pelos investidores de fora devido ao bom desempenho registado e aos resultados financeiros sempre a crescer.

Ainda sem data definida, tudo parece encaminhado para que 2012 seja o ano que a VW consolida a fusão com a Porsche, que já foi adiada por diversas vezes. A VW é dona de 49,9% da fabricante de carros desportivos de luxo e pretende assumir a fatia restante de 50,1%. O negócio é avaliado em 3,9 mil milhões de euros. "Ainda há alguns obstáculos a cruzarem-se no caminho, que não nos permitem avançar para a integração com a Porsche", disse Martin Winterkorn na apresentação dos resultados, a 12 de Março deste ano. "O que posso dizer é que a integração entre a VW e a Porsche vai acontecer", acrescentou o CEO.

O objectivo da VW é tornar-se no maior construtor do mundo em 2018. No ano passado, o grupo vendeu 8,16 milhões de unidades, das marcas VW, Audi, Seat, Skoda, Scania, Bentley, Lamborghini e Bugatti.

Frank Gaube, responsável pelas relações com os investidores e imprensa da Porsche Automobil Holding, disse ao Diário Económico: "continuamos a lutar para a criação de um grupo automóvel integrado com a Porsche, dentro das condições económicas razoáveis."

Do Carocha ao Porsche
A história do sucesso das duas marcas alemãs é longa, mas Ferdinand Porsche está na génese de ambas. Este engenheiro sem canudo, que recebeu o título de "Engenheiro Automobilístico do Século" em 1999, é responsável pela criação da Porsche e pelo sucesso que a VW teve com o Beetle, o tão aclamado "Carocha" em Portugal.

Na altura da Grande Depressão, Ferdinand Porsche esteve desempregado, deu a volta e fundou a Porsche, como uma empresa de consultoria, onde chegou a desenvolver carros para a Daimler. Depois da Segunda Guerra Mundial, o filho de Ferdinand Porsche - Ferry - cria o primeiro carro desportivo a ostentar a marca Porsche, enquanto sua filha, Louise, assumia os negócios da família de distribuição da VW em Salzburgo. Já no fim da sua vida, Ferdinand Porsche foi contratado pela VW e recebeu ‘royalties' por cada VW Carocha fabricado. O que o deixou numa situação financeira confortável, uma vez que foram produzidos mais de 20 milhões de unidades. Anos mais tarde, a família Porsche, através da Porsche Automobil Holdings, adquire parte do capital da VW (32,2%).

Mas a terceira geração de Porsches e Piëchs foi marcada por brigas amargas, levando Ferry Porsche a proibir os membros da família de participar na construção de carros desportivos na década de 70. Sem acesso a uma carreira na Porsche, Ferdinand Piëch - o neto de Ferdinand Porsche - um engenheiro obcecado por carros, fez fortuna ao ascender ao topo da Audi e depois da VW, onde se tornou presidente em 1993.

Embora queiram preservar o legado e a fortuna de família, Piëch e os familiares têm tido várias desavenças. "A VW é agora, basicamente, uma empresa familiar austríaca que, por coincidência, tem acções negociadas na bolsa", disse Ferdinand Dudenhöffer, director do Centro de Pesquisa Automóvel da Universidade de Duisburg-Essen, à agência Bloomberg.

Piëch reforça poder com mulher no ‘board'
O controlo da família Piëch sobre a VW deverá ser ampliado em breve. Recentemente, o conselho supervisor da empresa nomeou a actual mulher de Ferdinand Piëch - Ursula Piëch - para integrar o grupo. Como a família Porsche-Piëch controla a maioria dos direitos de votos da VW, a aceitação dela como membro do conselho, na assembleia-geral marcada para 19 de Abril, é praticamente certa. Martin Winterkorn, CEO da VW, disse publicamente que conhece Ursula Piëch há anos e que esta é uma "pessoa muito competente".

A medida solidifica a influência e o legado do Ferdinand Piëch, de 74 anos, que garante ter três grandes amores: "a Volkswagen, a família e o dinheiro". A chegada de Ursula Piëch ao conselho da VW assegura ainda mais o poder do marido na fabricante e dentro do clã Porsche, elevando, assim, o número de membros com sobrenome Porsche ou Piëch para cinco de um total de 20. "É a família que toma as decisões. Uma característica nada comum numa empresa de capital aberto", afirmou o director do Centro de Pesquisa Automóvel da Universidade de Duisburg-Essen.

Para quem não a conhece, Ursula Piëch foi educadora de infância, mas tem qualificações em administração e direito. Ama da família Piëch, acabou, mais tarde, casada com Ferdinand Piëch, sendo mãe de três dos seus 12 filhos. A mulher que sempre foi vista ao lado do marido em aparições públicas, está, contudo, "por dentro das operações da VW", dizem os colaboradores da empresa.

Em 2010, Piëch chegou mesmo a nomeá-la como líder de duas fundações que geriam as suas participações na Porsche e na VW e há quem diga que ela tem desempenhado um papel crucial na arbitragem de disputas entre os membros da família.

Hans Michel Piëch, Ferdinand Porsche Oliver e Wolfgang Porsche também fazem parte do conselho de administração da VW. Entre os accionistas destacam-se a Qatar Holding LLC e o Estado alemão da Baixa Saxónia, sendo que, cada uma destas identidades, tem dois assentos no conselho. Ursula Piëch será a terceira mulher a "bordo" da VW.

"A Ursula Piëch tem seguido todos os desenvolvimentos do grupo VW com bastante interesse", referiu David McAllister, o primeiro-ministro da Baixa Saxónia, numa declaração enviada por email e que pretende apoiar a sua nomeação. "Com Ursula Piëch, acrescentamos outra mulher competente no conselho fiscal. O que é um sinal positivo".

Martin Winterkorn - CEO do grupo VW
É um antigo amigo e aliado de Ferdinand Piëch, para quem a "integração entre a VW e a Porsche vai acontecer". É só uma questão de tempo e de resolver "alguns obstáculos".

Ursula Piëch - Nomeada para o ‘board' da VW
55 anos. Começou como educadora de infância, é mãe de três dos 12 filhos de Ferdinand Piëch. Elogiam-lhe competências em administração e direito. Vai entrar para o ‘bord' da empresa em Abril deste ano.

Ferdinand Piëch - Presidente do grupo VW
Tem 74 anos e costuma dizer que tem três grandes amores: "a Volkswagen, a família e o dinheiro". Obcecado por carros, fez fortuna ao ascender ao topo da Audi e depois da VW.

Fonte: Económico - Sara Piteira Mota - Portugal, 01.04.2012

Nome:
E-mail:
Comentário:
Digite os caracteres abaixo:
Comentário enviado com sucesso!
Aguarde a aprovação!