Macrotransição
SP • 11 3075-3034 - RJ • 21 9.9660.4661
Av. Paulista, 1.765 - 7º andar - São Paulo - SP

Filha de Arnault sobe no escalão da LVMH

27/06/2013 22:01
Delphine Arnault, de 38 anos, deixa a grife Christian Dior, onde trabalhou por mais de dez anos: na LV, aposta no couro
Anterior 1 de 1 Próxima
A LVMH Moët Hennessy Louis Vuitton nomeou esta semana Delphine Arnault como vice-presidente executiva da Louis Vuitton, o cargo mais alto já alcançado por um dos filhos do presidente do conselho da legendária empresa de artigos de luxo, Bernard Arnault.

A promoção de Delphine - sua segunda em menos de um ano no alto escalão da maior grife da LVMH - acontece num momento em que a Louis Vuitton tenta reagir a um ritmo menor de expansão das vendas. A partir de setembro, a executiva de 38 anos vai ser responsável por todas as atividades relacionadas a produtos da marca.

A promoção também reforça o papel da família Arnault na LVMH, já que Bernard Arnault, o maior acionista da empresa, continua preparando alguns de seus filhos para as posições mais elevadas da maior holding de bens de luxo do mundo.

Nos últimos dez anos, Arnault colocou dois de seus filhos no conselho de administração da LVMH. Em 2003, ele nomeou Delphine e, dois anos depois, seu filho Antoine, de 36 anos, que atualmente chefia a grife masculina Berluti.

Arnault tem também três filhos do seu segundo casamento que ainda são novos demais para desempenhar um papel ativo nos negócios da família.

A chegada de Delphine Arnault ao segundo posto na hierarquia da Louis Vuitton destaca uma mudança no sentido de tornar a marca mais exclusiva. O antigo apetite insaciável pelos produtos da marca esmoreceu. Depois de um longo período de crescimento de dois dígitos, puxado pelas vendas das suas badaladas bolsas de lona, a Louis Vuitton enfrentou um enfraquecimento significativo no ano passado.

No primeiro trimestre, a receita da divisão de moda e produtos de couro da sua controladora - da qual a Louis Vuitton é de longe a maior a que mais contribui em receita e lucros - aumentou 0,4%. A LVMH não divulga detalhes da receita por marca.

Numa resposta ao crescimento mais lento, Bernard Arnault disse que a grife iria trabalhar para transformar sua imagem e elevá-la a um segmento mais alto no mercado de luxo. A Louis Vuitton deve aumentar suas ofertas de produtos de couro de primeira linha, fugindo do segmento de bolsas de lona de preços mais baixos que dominaram suas vendas nos últimos anos.

Em dezembro, o veterano da LVMH Michael Burke foi colocado no comando da Louis Vuitton depois que seu antecessor demitiu-se por razões de saúde, tendo ficado menos de um mês no cargo.

Delphine Arnault está saindo da marca-irmã Christian Dior Couture, onde trabalhou por mais de dez anos e chegou ao cargo de vice-diretora-gerente em 2008. Ela teve papel decisivo na contratação do novo designer da Dior, Raf Simons, cujas coleções foram aguardadas com ansiedade nas últimas edições da semana da moda de Paris.

Num comunicado, Burke disse que "o conhecimento profundo que Delphine Arnault tem do universo dos nossos produtos de primeira linha e sua experiência no comando de uma das nossas marcas de maior prestígio são atributos fundamentais para que ela contribua para o sucesso da Louis Vuitton no mundo".


Fonte: Valor Econômico, Por Nadya Masidlover | The Wall Street Journal, de Paris, 27.06.2013
© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A.

Nome:
E-mail:
Comentário:
Digite os caracteres abaixo:
Comentário enviado com sucesso!
Aguarde a aprovação!